Deprecated: Function sql_regcase() is deprecated in /home/arcanoe/public_html/modulointranet/includes/controlInjection.php on line 3

Deprecated: Function sql_regcase() is deprecated in /home/arcanoe/public_html/modulointranet/includes/controlInjection.php on line 3
Fazendo bem a quem te ama!

Dicas e Cuidados

Cuidados fundamentais para a saúde do seu animal

Uma única vez: castre o animal. É um ato de compaixão que fará com que ele tenha uma vida mais saudável e fique com você muito mais tempo.

Diariamente: ração de boa qualidade (na medida indicada na embalagem) e comida preparada especialmente para ele e água à vontade.

Muito importante: o seu animal não pode comer qualquer tipo de comida. O ideal seria que 50% de sua alimentação fosse composta de ração de qualidade e os outros 50% de uma combinação, cereais (arroz, por exemplo), legumes e frutas (tudo preparado sem sal ou gordura).

Nunca dê: chocolate, açúcar, tomate, feijão, batata. Estes alimentos causam danos sérios aos dentes e à saúde do animal.

 

Como escolher uma ração de boa qualidade

Prefira sempre rações com um mínimo de 21% de proteína para adultos e 28% para filhotes. Tente evitar rações muito coloridas, por possuírem mais química (corantes). Observe que para cada idade existe uma ração e uma quantidade apropriadas. Veja a indicação na embalagem ou pergunte para um veterinário de sua confiança.

Semanalmente: limpeza dos ouvidos e escovação (raças de pêlos longos exigem escovação diária ou a cada dois dias). Peça ao veterinário de sua confiança orientações para manter os ouvidos de seu animal sempre limpos e saudáveis.

 

Mensalmente:

O ideal seria que o seu animal tomasse banho e fosse tosado mensalmente. Banhos frequentes removem a defesa natural da pele do animal e podem acentuar problemas de ouvido;

Se onde você mora existe uma grande infestação de carrapatos, você deve fazer um controle mensal dos mesmos, passando produtos apropriados em seu quintal e em seu cão/gato. O carrapato transmite doenças (também para humanos), que podem inclusive ser fatais ao animal, bastando a picada de um carrapato infectado.

A cada 3 meses: aplicação de remédios de pulgas. Pulgas transmitem um tipo de verme também para humanos e hoje já existem remédios para serem aplicados na nuca dos animais, que tem ação por 30 dias, em média.

Não esqueça: somente 5% das pulgas e carrapatos estão nos animais, os outros 95% estão no ambiente! É muito importante tratar também o ambiente onde estes vivem. A higiene é fundamental para a saúde de seu bichinho e de sua família.

ATENÇÃO! PULGAS TRANSMITEM VERMES. POR ISSO, É PRECISO ACABAR COM ELAS ANTES E DAR VERMÍFUGO DEPOIS.

 

Anualmente:

Tomar vermífugo a cada 4 ou 6 meses (escolher sempre os vermífugos ‘plus’ e dar a segunda dose 15 dias após a primeira);

Vacinas: POLIVALENTE (combate diversas doenças, inclusive algumas que são transmitidas por via aérea) e ANTI-RÁBICA. Exija sempre que a aplicação seja feita por um veterinário e que o mesmo cole o selo da vacina, carimbe e assine a carteira do animal.

 

LEVE SEU CÃO/GATO AO VETERINÁRIO SEMPRE QUE NOTAR:
apatia;

perda ou ganho excessivo de peso;

falta de apetite e de sede;

coceiras nas orelhas e balançar excessivo das mesmas;

alterações na pele e no pêlo e caroços;

vômito;

diarréia, principalmente com sangue;

demonstração de dor.

 

IMPORTANTE: A QUALQUER UM DESTES SINTOMAS, NÃO MEDIQUE SEU ANIMAL EM CASA. BUSQUE SEMPRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE UM VETERINÁRIO.

 

 

Saiba mais...
 

Entendendo a língua dos gatos

Seu gato tem um miado para cada ocasião? E você tenta contar isso para as outras pessoas e elas olham para você como se você fosse maluco? Pode ficar calmo: os gatos realmente se comunicam muito bem com os humanos através de miados, não é sua imaginação. E existe um tipo de som para cada situação.

Entre os felinos existem três tipos principais de comunicação: a expressão vocal, posturas corporais e marcas visuais e olfatórias. Esses sinais nem sempre são atendidos pelos humanos, o que torna nossa comunicação interespécie complicada. Mas assim como podemos entender as posturas corporais se convivermos bastante tempo com nossos gatos, como no caso de desagrado demonstrado através de uma abanada de cauda, também podemos aprender o que significa cada miado.

Os miados não são como a fala humana e não têm significado como as palavras, mas servem para expressar emoções. Esse é um assunto tão vasto e intrigante que vários estudos têm sido feitos para tentar entender como felinos e humanos desenvolverão essa capacidade de comunicação. O que já se sabe é que os gatos evoluíram os sons que emitem de acordo com a resposta obtida pelos humanos. Ou seja, alguns sons emitidos pelos primeiros gatos domesticados talvez tenham se extinguido já que não foram entendidos pelos donos naquela época. É fácil reagir a um miado do nosso próprio gato, onde já temos uma relação estabelecida. Por exemplo, todo dono de gato sabe diferenciar o miado de “me dá comida”, do miado “quero ir lá fora”.

Na verdade os sons emitidos pelos gatos se dividem em três grupos: os padrões de murmúrios, os padrões de vogais e os sons intensos. Esses sons são resultado de variações tonais obtidas pela mudança na laringofaringe dos felinos, ao contrário de nós humanos, que emitimos sons mexendo a boca e os lábios. Os diferentes sons fonéticos foram diferenciados e agrupados de acordo com a forma como são emitidos. Análises feitas em laboratórios através de espectogramas, que ainda são mais do que mapas que medem o comprimento de onda dos miados, reconheceram 23 padrões de sons emitidos pelos gatos. Os chamados puros são homogêneos, ou seja, sem muitas variações de volume de freqüência, estrutura harmônica e modulações de pulso.

 

- Padrões de murmúrio: São aqueles emitidos pelo gato com a boca fechada.

 

- Reconhecimento: os gatos que são muito ligados a seus donos emitem esse som, caracterizado por um murmúrio único e curto, assim que percebem que vão receber carinho ou comida. Esse ruído é amigável e em mais de 90% das vezes ocorre quando o gato está em movimento.

 

- Chamado: esse som de chamado é emitido pelos gatos principalmente durante o acasalamento. O macho indica com este ruído que está pronto para acasalar, ou ao convidar outros machos mais jovens para uma briga.

 

- Grunhido: logo ao nascer os gatinhos já produzem esse som que tende a desaparecer com a idade. Na vida adulta ele pode ser usado para expressar dificuldade, por exemplo: diante de um obstáculo muito alto a ser transposto.

 

- Ronronado: os gatos ronronam em quase todas as situações, até mesmo um pouco antes de morrer depois de terem sofrido com uma doença crônica. Esse efeito reflete o estado de euforia que antecede a morte, causado pela liberação de endorfina no organismo. Os mais comuns são os ronronados de prazer em situações em que o felino está relaxado e feliz, mas se estiver muito estressado, também poderá ronronar. Alguns pesquisadores gostam de comparar o ronronar com o sorriso humano. E é exatamente esta a sensação que temos ao ouvir esse som fofinho produzido pelo gato. No caso, o ronronar do gato ansioso seria mais ou menos como quando rimos de nervoso em uma situação perigosa ou desagradável. xistem várias hipóteses sobre como os gatos ronronam. Pode ser devido a um frêmito causado pela passagem do sangue pelos grandes vasos do palato mole e conforme muda o ângulo da faringe, faria com que o som fosse emitido. Mas também pode ser gerado de outra forma. Depois de realizados estudos eletromiográficos que revelaram com os músculos da faringe se comportam durante o ronronar, descobriu-se que eles têm um papel importante ao fecharem a glote levemente aumentando a pressão do sangue nessa área. O diafragma controlaria a freqüência, ou seja, menos ou mais ronronados a cada minuto.

 

Fonte: http://www.blogtribuna.com.br/DicaAnimal

 

Saiba mais...
 

Dicas para evitar doenças bucais em cães e gatos

A higienização bucal pode parecer apenas um cuidado simples entre tantos outros necessários a um animal de estimação, mas que pode ter grandes consequências ao equilíbrio de seu organismo.

A manutenção de um aparelho bucal sadio para o animal vai além do caráter estético, podendo até aumentar a expectativa de vida do animal. A boa saúde bucal pode ajudar a manter todo um organismo saudável. Animais que têm a boca saudável se alimentam melhor e consequentemente são mais resistentes a doenças em geral, além da fonte de infecção que se torna a boca, disseminando bactérias para todo o organismo, principalmente para coração, fígados e rins.

A higiene oral de animais como cães e gatos deve começar com medidas básicas, sendo necessária a escovação diária, além da alimentação adequada com rações específicas para cada espécie, visitas regulares ao dentista veterinário e, quando necessário, a realização de tratamentos periodontais, ou seja, a limpeza dos dentes.

 

Sintomas

Quando os dentes, gengivas, língua e paredes bucais não são higienizados e tratados corretamente, começam a surgir sintomas mais comuns como halitose (cheiro ruim), salivação excessiva, gengivas inflamadas e com sangramento, grande quantidade de tártaro nos dentes, resultando também no comportamento do animal, que apresenta dificuldade para se alimentar, apatia e agressividade.

A odontologia animal, hoje, está muito desenvolvida. São realizados, praticamente, todos os tratamentos realizados em seres humanos como limpezas, extrações, tratamentos de canal, restaurações, colocação de aparelhos e até cirurgias mais refinadas para correções de fraturas e comunicações oronasais.

Para serem realizados, esses tratamentos necessitam da utilização de anestesia geral inalatória, que deve ser realizada sempre por um veterinário anestesista. É importante ressaltar que todo procedimento anestésico apresenta riscos, assim como para os humanos. O que pode-se fazer é minimizá-los ao máximo através de consulta prévia para averiguar o estado geral do animal, exames pré-operatórios, utilização de anestesia inalatória com monitoramento e a presença de um anestesista veterinário habilitado.

Saiba mais...
 

Dermatite alérgica a picada de pulga

Já ouviu falar?

A dermatite alérgica à picada da pulga deve-se a uma reação de hipersensibilidade do animal à saliva da pulga. Esta hipersensibilidade causa inflamação e prurido, que o animal manifesta quando se morde, lambe ou coça, induzindo trauma na pele. As lesões cutâneas resultam em falhas de pelo, feridas, crostas e hiperpigmentação e a localização dessas lesões, nos cães, acontece sobretudo na região dorso lombar e na base da cauda, mas também nas coxas, virilhas e abdômen. Nos gatos, as lesões surgem nas mesmas regiões e ainda na área cervical.

Pode surgir infecção cutânea secundária, que, por vezes, se apresenta sob a forma de uma dermatite úmida.

Esta é a doença cutânea mais comum e surge sobretudo na primavera e no verão. O diagnóstico baseia- se na observação das pulgas, ou excrementos delas no pelo, na presença de prurido intenso e na distribuição típica das lesões.

 

Eliminação das pulgas

O tratamento consiste na eliminação das pulgas no animal afetado, de outros que coabitem com ele e do ambiente onde vive. Só controlando as pulgas se pode obter sucesso no tratamento.

O ambiente que rodeia o animal deve ser limpo de forma a eliminar ovos e larvas e, para isso, pode usar-se spray inseticida nas superfícies a que os animais têm acesso.

Existe também uma variedade de produtos inseticidas para aplicação em animais, desde coleiras, sprays, produtos spot-on (de aplicação tópica na pele) e comprimidos. Muitos dos produtos devem ser aplicados todos os meses.

No animal afetado, deve ainda promover-se o alívio dos sintomas, usando anti-histamínicos ou corticoesteroides que quebram o ciclo de prurido e o auto traumatismo, induzido por se coçarem, e tratar as infecções que possam estar associadas.

A prevenção da dermatite alérgica à picada da pulga consiste no uso regular de produtos inseticidas nos animais. Sempre que estes não resultem, deve usar-se um produto diferente ou associar um produto que esterilize as pulgas.

 

Saiba mais...
 

40 curiosidades sobre os cães

01.  Filhotes de cães nascem aproximadamente 63 dias depois do acasalamento.

02.  Eles começam a ouvir logo após o nascimento, mas é preciso mais algum tempo antes que eles tenham a visão completa e audição.

03.  Os dentes dos filhotes começam a aparecer quando eles estão com cerca de três semanas de idade.

04.  Os dentes definitivos substituem os "de leite" entre quatro e sete meses.  Eles são muito propensos a mastigar as coisas durante esse período.

05.  Cães mestiços são menos propensos a sofrer de doenças hereditárias e deficiências que os de raça pura.

06.  Os cães primeiro distinguem os objetos primeiro pelo movimento, em seguida, o brilho, e só depois, pela forma.

07.  O Wolfhound Irlandês é o raça de cão mais alta do mundo.

08.  Ao contrário do que muitos donos possam pensar, os cães não sentem culpa: é mito.

09.  Cães, assim como os humanos, sofrem traumas. Incidentes podem marcá-los para toda a vida.

10.  Ao contrário da crença popular, o poodle não teve origem em França. Originalmente é uma raça alemã, e era um cão utilizado para a caça.

11. O escritor grego Homero é considerado a primeira pessoa a escrever sobre cães. Os cães são freqüentemente mencionados na Odisséia.

12. A crença comum de que os cães são daltônicos é falsa. Os cães podem ver cores, mas não é como um esquema de cores vivas como nós vemos. Eles distinguem entre azul, amarelo e cinzento, mas provavelmente não vêm vermelho e verde.

13. A audição do cão é muito melhor do que a vista. E seu sentido do olfato é muito melhor do que a audição e visão.

14. Na Idade Média, os cães eram muitas vezes julgados e punidos, juntamente com seus donos.

15. Na Roma Antiga, a devoção aos cães era tão intenso que César teria teve de lembrar aos cidadãos que prestassem mais atenção aos seus filhos e menos para seus cães.

16. Dois cães sobreviveram ao naufrágio do brinquedo do Titanic. Os pequenos cães estavam com seus donos e ninguém parece ter-se oposto à sua presença.

17. Os cães têm cerca de 100 expressões faciais diferentes. A maioria delas depende do movimento de suas orelhas.

18. Dálmatas nascem brancos e desenvolvem pontos à medida que envelhecem.

19. Um típico cão adulto tem 42 dentes permanentes.

20. O cão mais velho já registrado viveu pouco mais de 29 anos de idade.

21. A música dos Beatles "Martha My Dear" foi escrita por Paul McCartney sobre sua cadela, Martha, uma Sheepdog.

22. A orelha dos cães é muito sensível, cheia de nervos sensoriais que ajudam a preservar a audição. Nunca sopre a orelha de um cão, pois mesmo suavemente pode ferí-lo. Não é o ato do vento, mas a freqüência com que você sopra. Se formos comparar a mesma sensação com um humano, seria como correr os dedos sobre um quadro-negro, centenas de vezes amplificados.

23. Cães e gatos, assim como as pessoas, são destros ou canhotos.

24. Os cães suam através das almofadas dos pés.

25. Surpreendentemente, os estudos mais recentes apontam para o fato de o cão ter um sentido de justiça e ser capaz de reconhecer quando está a ser bem ou mal tratado. Não é mito, e tudo aponta para que os cães sejam mesmo capazes de sentir uma forma de discriminação quando são tratados de maneira diferente pelos humanos.

26. O Boxer foi chamado assim por sua forma de luta - pois ele começa uma luta com as patas da frente, como um boxeador humano.

27. Quase todos os cães possuem lingua cor de rosa, exceto duas raças:  o Chow Chow e o Sharpei, ambos com línguas negras.

28. A maior genialidade sensorial do vira-lata é seu olfato. Se, por exemplo, nós humanos sentimos o cheiro de feijoada, os vira-latas são capazes de reconhecer separadamente o aroma do feijão, da linguiça, da cebola e do louro.

29. Os únicos mamíferos com próstatas são seres humanos e cães.

30. Você já viu um cão enrolado com sua cauda cobrindo seu nariz? Eles fazem isso para manter o nariz quente no frio.

31. A raça Doberman foi criada por Louis Dobermann, um alemão cobrador de impostos que fazia diversas viagens e sentia a necessidade de um cão para protegê-lo. Ele queria um cão valente, ágil, inteligente e corajoso que pudesse acompanhá-lo. Ele também trabalhava como zelador no canil municipal de Apolda, e tinha um grande conhecimento sobre cães, a partir de 1870 começou a realizar cruzamentos entre cães "dos açougueiros" (ancestrais do Rottweiler), Pinscher, Pastor Alemão, Weimaraner, Greyhound e o Manchester Terrier. Contudo, Louis Dobermann morreu aproximadamente dez anos após ter iniciado a seleção do doberman e não teve a oportunidade de ver seu trabalho concluído.

32. Acredita-se que o nome da raça Pug é derivado da semelhança com o macaco pug.

33. 78% dos cães domiciliados nos Estados Unidos são castrados.

34. Se um cão mantém o rabo erguido, é sinal de dominação.

35. A maior ninhada já registrada ocorreu em 1944, quando uma American Foxhound teve 24 filhotes.

36. Geralmente, a boca de um cão tem menos bactérias e germes do que a boca de um humano.

37. Todos os cães, independentemente da raça, são descendentes dos lobos selvagens e primos das raposas.

38. Foram realizados sete exames, inclusive teste de QI, em 80 animais. A nota máxima podia chegar a 30 pontos, porém os vira-latas conseguiram uma média de 20 contra 18 dos cães de raça. Os pesquisadores afirmaram que cachorros que não tem raça apresentam melhor noção de espaço e resolvem questões com mais facilidade do que os animais com pedigree.

39. Os cães são mais suscetíveis a atacar um estranho correndo, do que um que esteja parado.

40. Na hora da refeição, o cão é mais receptível a ensinamentos. Um filhote aprende mais rápido seu nome quando você o chama para se alimentar.

 

Fonte: http://bichinhosprecisamdelar.blogspot.com/2010/11/40-fatos-curiosos-sobre-os-caes.html

Saiba mais...
 

12 dicas para prevenir e controlar os carrapatos

Criar cachorro não é fácil. Há que se prover alimento, água, vacinas, vermífugo, banhos... Enfim, criar cachorro definitivamente não é tarefa das mais simples. Mas talvez o maior desafio de quem tem um amigo peludo seja mesmo acabar com a famigerada praga dos carrapatos.
Eles são feios, sugam sangue e transmitem doenças (ver tópico "a doença do carrapato) e, amigo, acabar com eles exige um trabalho colossal. 
Antes de tudo, é preciso ter em mente que o controle dessa praga só é alcançado através de um conjunto de medidas. Não pense você que uma simples coleira contra carrapato vai acabar com a infestação de seu bichinho, porque não vai. A coleira com certeza vai ajudar, mas é preciso tomar outras atitudes:

 

1 - Regularmente procure por carrapatos em seu animal. Cate e jogue-os em um pote com querosene (o álcool nem sempre os mata, a não ser que você os incinere);

2 - Cuide de seus animais com repelente ou carrapaticida tópico. Existem vários disponíveis no mercado. A maioria consiste em um líquido aplicado no dorso do animal, na região da nuca;

3 - Se seu cão é adulto e saudável, utilize uma coleira com carrapaticida;

4 - Da mesma forma, se seu cão é adulto e saudável, banhos com carrapaticida aplicados preferencialmente por um profissional, serão de grande ajuda;

5 - Há remédios de uso oral que podem ajudar no controle; consulte o veterinário;

6 - Em propriedades grandes, criar algumas galinhas é uma forma de controle biológico, pois elas comem os carrapatos;

7 - No ambiente, faça sempre uma boa limpeza (com os produtos adequados) nos locais onde o animal costuma ficar. Se necessário, recorra a uma empresa de dedetização e cuidado com animais e crianças;

8 - Carrapatos costumam subir pelas paredes e procurar frestas e cantinhos onde possam se esconder. Poucos ficam ao nível do solo, então, use uma bombinha de aspersão para os locais mais altos;

9 - Quando aplicamos o inseticida, matamos os carrapatos jovens e adultos. Os ovinhos normalmente não são mortos pois são muito resistentes. Portanto, repita essa limpeza cerca de dez a doze dias depois; para matar os carrapatinhos que acabaram de eclodir;

10 - Sempre que usar um produto tóxico, leia a bula e siga rigorosamente as instruções de segurança;

11 -  Se você tiver um lança-chamas e não for do tipo psicopata, pode usá-lo para fazer a limpeza. Esse recurso é o que usamos nas clínicas / hospitais e mata inclusive os ovos do carrapato;

12 -  E atenção: não existe vacina contra esse mal. O que popularmente se chama de “vacina do carrapato” é um produto usado em certas dermatopatias específicas. O uso indiscriminado dele pode inclusive destruir células do fígado do animal.

    

Fonte: http://maxmouravet.blogspot.com/search?updated-max=2011-03-16T14%3A44%3A00-03%3A00&max-results=10

Saiba mais...
 

Cuidados com seu pet no inverno

Pessoal o frio já chegou, temos que deixar nossos peludos bem aquecidos. E não vamos nos esquecer dos peludos de rua, se você puder abrigue um, eles também sentem frio!!

GRUPOS DE RISCO: O frio abaixa a resistência do animal deixando-o mais suscetível a uma série de doenças. Idosos, filhotes, cardíacos, diabéticos, animais imune depressivos  e cães com doenças osteoarticulares, merecem atenção especial nessa época. Lembrando que nesses últimos o frio intensifica as dores e eles têm mais dificuldades de se locomover.
Outro grupo de risco são os que vivem em matilha nos canis, abrigos ou casas com grande população. Nesses deve-se ficar atento a vacinação pois é nessa época em que a gripe dos canis e a cinomose “atacam” com toda força, e aglomerações ,descuidos com higiene e falta de vacina podem resultar em muitas vítimas. No caso dos gatis o cuidado tem que ser dobrado pelo risco da rinotraqueíte (Gripe Felina).
 
FIQUE ALERTA SE: os animais apresentarem espirros ocasionais, secreção nasal, prostração e febre. Eles podem também apresentar perda do apetite, diarréia, ocasionando emagrecimento e desidratação. Estranhando o comportamento de um animal ,isole-o imediatamente do grupo e procure um veterinário.
 
O QUE FAZER (prevenção)
 
ABRIGO:

- Se seu animal não tem uma casinha ou canil que fique protegido, você pode usar uma caixa de papelão na varanda ou abrigá-lo na área de serviço, banheiro ou fazer uma casinha de bacia, saco de dormir... Em todos os casos não se esqueça de isolar a friagem que vem do piso. Você pode usar camadas de papelão ou tapete grosso de algodão trançado ou carpete ou de borracha e depois colocar uma almofada ou cobertor para que fiquem quentinhos.
- Casinhas em contato direto com o chão você deve erguer colocando tijolos  ou um palet por baixo para não passar a umidade do solo (não esqueça de forrar com um cobertor ou jornal que seja...). Certifique-se que a  abertura da casa não esteja voltada para uma corrente de ar.
SE PUDER ABRIGUE UM ANIMAL DE RUA.
 
ROUPA: Se seu cão tem pelagem curta como os Fox Paulistinha,Boxer,Pincher etc, você pode fazer uso de roupas mas certifique–se de que sejam bem confortáveis, não estejam apertadas e que não provoquem alergias. (se perceber vermelhidão na pele ou coceira retire imediatamente)
BANHO: Reduza a quantidade de banhos. Caso se torne necessário certifique-se de que no local não tenha corrente de ar e que a água esteja morna e agradável, seja breve e seque-o com toalha e depois com o secador no morno mantendo-o com uma distancia segura da pele do animal e em movimento constante para não queimá-lo. Ao termino não permita que ele saia no frio ou pegue vento evitando assim um possível choque térmico ou pneumonia.                                                                                             
HIGIENE: Recolha sempre as fezes, lave as vasilhas de água e comida com sabão neutro diariamente. Lave cobertores e roupinhas regularmente. Coloque mantas, travesseiros e caminhas no sol.
 
OBS: Os animais podem ficar mais dorminhocos na época do frio, respeite principalmente os mais idosos. Não exagere em exercícios e dependendo da atividade do animal você pode reforçar um pouco sua refeição (consulte um veterinário).  
                                                                 
 
fonte:http://dicaspeludas.blogspot.com.br
 
 

Saiba mais...
 

Faça um saco de dormir para seu pet

Lindas sugestões fáceis de fazer para deixar seu pet bem quentinho nesse frio. Confiram!!



  

Assistam ao vídeo e usem a criatividade pessoal.

Clique AQUI para assistir ao vídeo.

 

Dica: Para quem não sabe costurar, a cola quente é uma ótima alternativa. Eu ja testei e da muito certo!!

 

Veja abaixo como fazer um saco de dormir com um moletom que você não usa mais.

Saiba mais...
 

Caminha de moletom

Faça caminhas lindas para aconchegar seu pet neste inverno


Fofinha e aconchegante, assim pode ficar a caminha para pets feita com aquele moletom que já não te serve mais.
   

Com a chegada do inverno temos que deixar nossos pets quentinhos, pois eles também sentem frio, principalmente os animais de pêlo curto, os filhotes e os idosos que são mais frágeis.

Uma caminha irá deixá-lo super confortável e quentinho... Mãos a obra!!

 

Para fazer uma caminha, é preciso:

 

- 1 moletom

-  linha de costura e agulha ou máquina de costurar

 - alfinetes para marcação

- espuma picada ou fibra de enchimento ou retalho de tecido para preencher

Acompanhe o passo a passo através das fotos.

 

Essas camas são de iniciativa da Paws With A Cause   que as divulgam com o intuito de incentivar as pessoas a fazerem as caminhas com seus velhos moletons e voluntariamente doar a abrigos. Que tal você fazer parte desta corrente?

Fonte:http://dicaspeludas.blogspot.com.br
 
Saiba mais...
 

Plantas tóxicas para cães e gatos

Saiba mais...
 

Toxoplasmose: o gato não é o culpado.

Saiba mais...
 
Selecione a Página:
Empresas Amigas
l
r
© 2017 | Todos os direitos reservados.  
4aw